Alergia na pele - Dr Salim Médico de Família - Hospital Sírio Libanês

Alergia na pele

A alergia na pele, ou dermatose alérgica, é uma reação que se manifesta na pele de diferentes maneiras, tais como vermelhidão, inchaço, descamação ou coceira. As principais dermatoses alérgicas são as urticárias, o angioedema, as dermatites de contato e a dermatite atópica.

 

O que é urticária? E o angioedema?

Urticária Alergia na pele - Dr Salim Médico de Família - Hospital Sírio LibanêsA urticária é um quadro caracterizado por lesões avermelhadas e elevadas que aparecem em qualquer parte do corpo, duram minutos e desaparecem espontaneamente, podendo reaparecer em seguida em outros locais.

Na maioria das vezes, as lesões da urticária são acompanhadas por uma coceira intensa. Estudos americanos estimam que por volta de 25% da população apresentem ao menos um episódio de urticária em algum momento da vida.

O angioedema caracteriza-se por um inchaço das camadas mais profundas da pele, acometendo principalmente pálpebras, lábios, mãos, pés e genitais. Muitas vezes o angioedema pode aparecer juntamente com a urticária. No entanto, provoca coceira nas partes acometidas.

 

Quais são as causas da urticária e do angioedema?

Tanto a urticária como o angioedema são provocados pela ação da histamina na pele. Os mastócitos liberam histamina quando estimulados, tanto por mecanismos imunológicos, quanto pela ação direta de determinadas substâncias. Portanto, podem ocorrer casos de urticária ou de angioedema em que não há a produção excessiva de IgE, como é o caso das urticárias causadas por alguns tipos de medicamentos.

Nos adultos, um dos principais fatores desencadeantes de urticária e angioedema são os medicamentos, principalmente os anti-inflamatórios hormonais (por exemplo, o ácido acetilsalicílico e o diclofenaco), penicilina e anti-hipertensivos (principalmente os inibidores da enzima conversão da angiotensina).

Alguns alimentos também podem desencadear quadros de urticária em adultos, especialmente frutos do mar, ovos, nozes e soja. Nas crianças, os principais fatores desencadeantes são as infecções virais e alimentos como trigo, ovo e leite.

Além disso, em até 60% dos pacientes com urticária crônica não há um fator desencadeante aparente. Esses casos são chamados urticária idiopática e, recentemente, ficou demonstrado que muitos destes casos são autoimunes (desencadeados por uma resposta imunológica do indivíduo contra ele próprio). Existem ainda formas pouco comuns de urticária, desencadeadas por estímulos físicos tais como calor, frio, água, sol e exercício.

 

Como descobrir a causa da urticária?

Na maior parte dos casos, existe uma relação direta entre o aparecimento das lesões e a exposição prévia a um fator desencadeante (como vírus, alimentos ou medicamentos). No entanto, alguns pacientes não apresentam uma história que sugira um agente específico como o responsável pelo aparecimento das lesões. Nestes casos, a investigação é, muitas vezes, trabalhosa, nem sempre se consegue descobrir a causa.

O mais importante durante essa investigação é que se consiga um bom controle do quadro, para que o paciente leve uma vida normal.

 

Qual é o melhor tratamento para a urticária e para o angioedema?

A primeira medida a ser tomada é o afastamento do agente causador, quando este for conhecido. Uma vez que o indivíduo não tenha mais contato com esse agente, o quadro de urticária ou angioedema tende a desaparecer.

Todavia, é bom lembrar que em qualquer momento da vida em que o indivíduo volte a ter contato com tal agente, pode ocorrer uma recidiva. Por outro lado, nos casos em que o agente causador ainda não foi identificado e, para alívio dos sintomas, utiliza-se um anti-histamínico. No entanto, nos casos mais graves, muitas vezes são necessárias associações de outras drogas como corticoides, para que o quadro seja controlado.

 

O que é dermatite atópica?

Dermatite atópica Alergia na pele - Dr Salim Médico de Família - Hospital Sírio LibanêsDermatite atópica é uma forma de alergia de pele extremamente comum e que acomete principalmente pacientes que têm outras alergias, principalmente rinite e asma. O quadro completo de dermatite atópica (ou eczema atópico) se caracteriza por prurido (coceira), que evolui cronicamente ou em crises recorrentes, história familiar de alergia, história pessoal de alergia (o indivíduo teve ou tem asma e/ ou rinite), pele seca e eczema (que é a inflamação da pele).

O eczema se caracteriza por pele espessada, ressecada, pruriginosa e descamativa. A localização do eczema é geralmente em braços, perna, mãos, rosto e pescoço. Porém, cada indivíduo tem uma apresentação um pouco diferente e a localização do eczema muda com a idade.

 

Qual é a causa da dermatite atópica?

A causa exata é desconhecida, mas tudo indica que a dermatite atópica é causada por uma combinação de fatores genéticos (hereditários) e ambientais. Basicamente, os pacientes com eczema têm uma pele muito sensível, que reage de forma anormal a irritantes e alérgenos, levando a um prurido (coceira) intenso.

Essa coceira leva a uma inflamação na pele, e essa inflamação, por sua vez, provoca mais coceira, causando um ciclo vicioso. Várias substâncias foram identificadas como fatores que fazem a dermatite piorar, como poeira, suor e contato com lã, animais domésticos e sabonete.

O estresse classicamente piora a dermatite, porém, ao contrário do que se imagina, não é a causa da dermatite. Fatores psicológicos interferem no curso da dermatite, porém, fatores genéticos desempenham um papel central na sua causa.

 

Quais são os sintomas mais comuns da dermatite atópica?

Geralmente os pacientes apresentam lesões avermelhadas, cuja localização varia de acordo com a idade, mas que são caracterizados por muita coceira. As lesões podem ser ressecadas, com descamação importante, ou úmidas, nos casos agudos.

Em crianças pequenas (lactentes), as principais áreas acometidas são a face e o couro cabeludo, mas as lesões podem aparecer em qualquer local. Nas crianças maiores, as lesões não são tão avermelhadas, e se manifestam principalmente nos punhos e flexuras (dobras) dos braços e das pernas. Nos adultos e adolescentes, as lesões aparecem principalmente nas mãos e nos pés.

 

Qual é o tratamento mais efetivo para eczema atópico?

A prevenção é o principal objetivo do tratamento. O paciente deve evitar coçar e esfregar as lesões. A aplicação de compressas frias ajuda a aliviar o quadro, e é extremamente importante o uso de cremes e loções hidratantes (sem perfume), para manter a pele lubrificada. Além disso, todos os fatores desencadeantes e irritantes devem ser afastados.

Os anti-histamínicos podem ser usados para alívio da coceira, e os corticoides tópicos para diminuir o processo inflamatório. Uma nova linha de tratamento à base de medicamentos imunossupressores (medicamentos que inibem a resposta imunológica de um paciente) está ganhando espaço no tratamento da dermatite atópica e tem se mostrado eficiente e com poucos efeitos colaterais.

 

Quais são os cuidados que um paciente com eczema atópico deve ter com a pele?

O indivíduo atópico deve manter a pele sempre bem hidratada. Além do uso regular de cremes e loções hidratantes, algumas medidas adicionais ajudam a cuidar da pele. Evitar suar excessivamente, principalmente durante a fase aguda do quadro, evitar o uso de roupas feitas de materiais irritativos como a lã.

O banho deve ser tomado com água morna, e ter duração máxima de 5 minutos. Usar sabonete neutro, sem perfume, apenas nas partes necessárias, e jamais utilizar buchas ou esponjas para lavar o corpo.

 

O que é a dermatite de contato?

Dermatite de contato Alergia na pele - Dr Salim Médico de Família - Hospital Sírio LibanêsO contato de algumas substâncias com a pele pode levar ao aparecimento de lesões locais, que são chamadas eczema ou dermatite de contato. Algumas vezes, essas lesões resultam de uma reação alérgica que envolve o sistema imunológico e, portanto, esses quadros são denominados dermatites de contato alérgicas.

Outras vezes, as lesões resultam de uma reação irritativa, em que não há participação do sistema imunológico. Frequentemente é difícil diferenciar clinicamente esses dois tipos de reações.

As lesões são geralmente avermelhadas, pruriginosas, podendo apresentar vesículas (pequenas bolhas de água) ou ressecamento, descamação e liquenificação (espessamento da pele), dependendo do estágio e da gravidade do quadro.

 

Quais são os principais agentes responsáveis pela dermatite de contato?

Os principais agentes responsáveis por dermatites de contato alérgica são: níquel (presente em joias e bijuterias), perfumes, corantes, borracha (látex) e cosméticos. Além desses agentes, algumas substâncias presentes em medicamentos de uso tópico, como a Neomicina, também podem provocar dermatite de contato alérgica. Já as dermatites de contato irritativas estão mais relacionadas ao uso de produtos como sabões e detergentes, cimento e ácidos.

 

Para que serve e como é feito o teste de contato?

O teste de contato, ou patch test, é o principal método de diagnóstico da dermatite de contato. Com esse teste é possível, em grande parte dos casos, identificar qual o agente causador da dermatite, bem como diferenciar as formas alérgicas das irritativas.

O teste consiste na aplicação de pequenas quantidades das substâncias suspeitas na pele do paciente. Geralmente utiliza-se uma bateria padrão, que contém as 30 principais substâncias envolvidas com as dermatites de contato alérgicas em nosso país.

A aplicação é feita por meio de fitas adesivas que ficam aderidas nas costas do paciente, sendo retiradas após 48 horas, quando é feita uma primeira leitura do teste. Nos testes positivos, é possível a observação de lesões no local de contato com cada substancia. Após 96 horas da aplicação, é feita uma segunda leitura, quando então é feita a interpretação final do teste.

 

Uma pessoa com dermatite de contato não deve entrar em contato com a substância causadora da alergia?

Não. Uma vez identificado o agente causador, esse deve ser afastado completamente do contato com o paciente. Uma nova exposição a esse mesmo agente, em qualquer momento da vida, pode levar a um novo quadro de eczema de contato.

 

Existe a necessidade do uso de medicamentos para tratar a dermatite de contato?

A principal medida no tratamento da dermatite de contato é o afastamento do agente causador. Caso esse afastamento seja difícil, como é o caso das donas de casa em relação aos detergentes e sabões, torna-se necessário que se utilize algum tipo de proteção, como, por exemplo, luvas.

No entanto, uma vez que o quadro já tenha se estabelecido, as lesões devem ser tratadas. Esse tratamento consiste no uso de medicamentos que diminuem o processo inflamatório na pele. Os cremes à base de corticoides têm uma eficiente ação anti-inflamatória nestes casos.

Dependendo da gravidade e extensão do quadro, pode ser necessário também o uso de corticoides por via oral. Recentemente, uma série de novos medicamentos que controlam a resposta imunológica tem sido utilizada como alternativa de tratamento da dermatite de contato, bem como o pimecrolimus, apresentando resultados satisfatórios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *