Blog

Cuidados com as queimaduras - Dr Salim

Cuidados com as queimaduras

Saiba o que esse problema pode causar na sua vida e como evitá-lo

As queimaduras envolvem um grupo amplo de lesões causadas por diversos fatores e que podem acometer o corpo em extensão variável. As queimaduras da pele por fogo ou objetos quentes são o principal exemplo, mas podem ocorrer também por exposição solar, por choque elétrico ou por exposição a produtos químicos.

Elas podem ser pequenas e bem localizadas, e dor que provocam pode ser o único inconveniente. Mas, dependendo da extensão corporal acometida e das condições do ambiente em que ocorreram, podem se tornar lesões gravíssimas, com grande possibilidade de levar à morte. No Brasil, cerca de metade dos pacientes que é internada por queimaduras é de crianças e adolescentes, de 0 a 15 anos. Estes acidentes ocorrem, em grande parte no ambiente doméstico, comumente nos horários de refeições. Crianças e adolescentes são naturalmente curiosos e gostam de desafiar o perigo, expondo-se, dessa forma, a situações de risco.

Já falamos sobre os cuidados que precisamos ter dentro de casa: http://drsalim.com.br/como-evitar-acidentes-domesticos/

Uma queimadura, dependendo de sua extensão e localização, pode ter um impacto imenso na vida de uma pessoa, levando a uma internação hospitalar prolongada, à necessidade de vários procedimentos cirúrgicos reparadores, à incapacitação temporária ou permanente para o trabalho, e várias sequelas. A pele queimada, ao cicatrizar-se, pode ficar espessada e fibrosada, o que prejudica a movimentação normal da área afetada.

A possibilidade de que se desenvolva um câncer de pele é maior em cicatrizes de queimaduras. Além das sequelas funcionais, as cicatrizes de queimaduras levam a drásticas alterações estéticas, ocasionando um retraimento social e grande sofrimento psicológico por parte do queimado. Assim, a prevenção, por meio da conscientização do perigo, é de suma importância para diminuir a incidência das queimaduras e de todos os seus efeitos desagradáveis. Esta conscientização é mais eficiente quando realizada por meio de um processo educativo contínuo, voltado principalmente para crianças e adolescentes.

A pele, conjunto de tecidos que recobre a superfície externa do organismo, é também considerada um órgão, aliás, o maior órgão do corpo humano. Além de ser uma barreira protetora contra as agressões do meio ambiente, a pele também impede a invasão do corpo por micro-organismos, evitando infecções, sendo o ponto de localização de terminações nervosas responsáveis pelas sensações de tato, frio e  calor. Outras funções da pele são evitar a perda de fluídos pelo corpo e participar da regulação da temperatura corporal.

A regulação da temperatura corporal é extremamente importante. A temperatura normal de uma pessoa tende a ser estável, variando, no máximo, entre 34ºC e 40ºC. É nesta estreita faixa que os órgãos do corpo conseguem desempenhar suas funções de forma ideal. Quando a temperatura se afasta dessa faixa, lesões sérias e até a morte podem ocorrer. A estabilidade é mantida por um equilibro entre a produção de calor e a dissipação do mesmo, em que a pele tem um papel ativo através da produção de suor.

A pele tolera temperatura de até 40ºC. Quando ocorre a queimadura, há transferência de calor para a pele e isto causa um efeito chamado coagulação de proteínas, ou seja, elas alteram a sua conformação natural e se ajuntam. A queimadura pode levar á destruição parcial ou total da pele no segmento queimado, ocasionado a perda de suas funções. Assim, o corpo perde sua barreira protetora, fica vulnerável a infecções, perde quantidade de fluídos, não consegue regular adequadamente a temperatura corporal e fica privado das sensações de tato, frio e calor na área afetada.

No próximo post sobre o assunto, vamos falar dos tipos de queimaduras e como tratá-las.

 

Saiba Mais
Você tem enxaqueca? - Dr Salim

Você tem enxaqueca?

Saiba quais são os sintomas e tratamentos desse tipo de dor de cabeça que pode ocorrer em qualquer idade

A enxaqueca é um dos tipos de dor de cabeça ou cefaleia primária. Tipicamente é uma dor de cabeça pulsátil ou latejante que acomete um dos lados da cabeça. Em geral, piora com atividade física. A luz e o barulho trazem grande incômodo e ela pode vir acompanhada de náusea e vômito e, na maioria dos casos, tem uma intensidade tal, que atrapalha as atividades diárias.

Precisam ser investigados aqueles pacientes que começaram recentemente a ter enxaqueca, ou aqueles nos quais a enxaqueca já ocorre há mais tempo, porém sempre do mesmo lado, os pacientes que não respondem aos tratamentos habituais e aqueles nos quais a enxaqueca vem acompanhada de outros sintomas que não ocorriam anteriormente.

Está comprovado na literatura médica que uma vida equilibrada melhora muito o número de crises de enxaqueca. É bastante comum escutar que as crises ficaram mais frequentes e mais intensas porque as pessoas mudaram seus hábitos de vida, ou por pressões no trabalho de maneira a dormirem menos, dormirem mais tarde ou acordarem mais cedo, perderem alimentação na hora do almoço ou pararem de fazer exercício físico.

Está bem estabelecido que uma boa hidratação, uma alimentação regular (no mínimo de três em três horas), praticar exercícios físicos três vezes por semana, ter sono regular, isto é, procurar dormir mais ou menos na mesma hora todas as noites, e acordar mais ou menos na mesma hora pela manhã (essa regra pode ser quebrada uma vez por semana) são condições que podem evitar as crises de enxaqueca.

Evitar os fatores precipitantes também é uma maneira de evitar. Muitos pacientes com enxaqueca referem desencadeamento de crises com bebidas alcóolicas, certos tipos de queijo, embutidos, salgadinhos, chocolates, excessos de café e odor de perfumes. No último caso, uma dica simples é, por exemplo, chupar balas de hortelã ou menta em reuniões sociais.

Não há cura para a enxaqueca, mas existem várias modalidades de tratamento que diminuem o número de crises. Vários tipos de remédios podem ser utilizados, desde os mais naturais até remédios antidepressivos e antiepiléticos.

Há medidas também caseiras para tratar a enxaqueca: o uso regular de chá de camomila, 1 xícara de manhã e outra à noite, por algumas semanas, diminui o número de crises. Durante as dores, o uso de saco de gelo ou rodelas de batata, aplicadas no local, pode melhorar a dor de cabeça.

Os medicamentos indicados para enxaqueca são vários e sua eficiência é variável de pessoa para pessoa. Assim, desde analgésicos comuns a medicamentos mais específicos podem ser necessários. É importante procurar um médico, que poderá indicar o melhor tratamento.

 

Saiba Mais
O que é acne? - Dr Salim

O que é acne?

Saiba as causas e tratamentos dessa doença, que é mais frequente em adolescentes e adultos jovens

A acne se caracteriza pelo aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e à obstrução da abertura do folículo pilossebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e comedões fechados (cravos brancos). A falta de drenagem do sebo produzido por estas glândulas favorece a proliferação de bactérias que provocam a inflamação característica das “espinhas”.

Ela é um das doenças dermatológicas mais comuns. É mais frequente em adolescentes e adultos jovens. Em algumas pessoas as lesões são mínimas, quase imperceptíveis. Em outras, as lesões tornam-se mais evidentes e de intensidade variável, perturbando a qualidade de vida e desencadeando e agravando problemas emocionais, podendo se tornar extremamente graves.

As causas da acne são:

– Hereditária: o aumento da atividade e do tamanho das glândulas sebáceas na puberdade, juntamente com a alteração do folículo pilossebáceo pode ter influência genética. Quando ambos os pais têm acne, a possibilidade de o filho vir a ter o mesmo problema é de 50%, com gravidade variável; por isso, em pacientes cujos pais tiveram acne grave, deve-se iniciar o tratamento o mais precocemente possível.

– Hormonal: os andrógenos (hormônios sexuais masculinos) regulam a produção de sebo pelas glândulas sebáceas. Esses hormônios podem ser origem gonadal (ovários na mulher e testículos no homem) e/ou adrenal (glândula que pode ser encontrada sobre os rins). É por isso que na puberdade, há elevação dos níveis de andrógenos no sangue e nos tecidos, levando ao aumento do tamanho das glândulas sebáceas e da quantidade de secreção por ela produzidas.

– Bacteriana: nas pessoas com acne, há aumento exagerado na produção de sebo e o sebo acumulado favorece a proliferação de bactérias que produzem a inflamação da pele, levando à formação de lesões avermelhadas, doloridas e com pus.

– Tensão emocional e ciclo menstrual: fatores emocionais podem atuar com agravantes da acne, pela ação do sistema nervoso central (córtex do cérebro) no sistema neuroendócrino, levando a um aumento dos hormônios sexuais. No período pré-menstrual, pode ocorrer agravamento da acne.

O papel da dieta na evolução da acne é uma questão controvertida. Se o paciente relaciona fases de piora com a ingestão de chocolate, nozes, gordura ou refrigerante, estes devem ser evitados.

A acne tem cinco tipos:

– Acne grau I: apenas cravos, sem lesões inflamatórias (espinhas). Os cravos podem ser brancos ou pretos.

– Acne grau II: apresentam-se cravos, pontos vermelhos e “espinhas”.

– Acne grau III: apresentam-se cravos, “espinhas” e lesões maiores, mais profundas, dolorosas e inflamadas, podendo drenar secreção purulenta, os chamados cistos.

– Acne grau IV: constitui forma grave de acne em que associam-se ao quadro anterior nódulos purulentos, numerosos e grandes, formando absessos e fístulas que drenam pus. As lesões podem ser comunicantes, com muita inflamação e aspecto desfigurante.

– Acne grau V: forma rara e grave em que o paciente apresenta febre, queda do estado geral, dor em várias “juntas”, alterações ósseas, dores musculares e perda de apetite. O paciente deve ser tratado rapidamente em ambiente hospitalar.

A acne pode deixar cicatrizes ou manchas, dependendo de sua intensidade e do tipo de pele do paciente. As manchas podem ser violáceas ou amarronzadas e as cicatrizes podem ser profundas, superficiais e até sobrelevadas, endurecidas (queloides). É por isso que se deve tratar a acne precocemente.

O primeiro passo para tratar a acne é estabelecer seu grau. Nos quadros mais leves são indicados medicamentos de uso local que visam a obstrução dos folículos e controle da proliferação bacteriana e da oleosidade.

Nos pacientes com acne mais avançada, além do tratamento local, é necessário o uso de medicamentos sistêmicos (via oral), que visam o controle das erupções, das infecções e da produção de sebo.

Deve-se reforçar a importância de não se espremer ou manusear as lesões, a fim de evitar a propagação da infecção e minimizar o risco de cicatrizes.

Muitas vezes, associa-se ao tratamento medicamentoso, a limpeza dos comedões abertos e fechados e higienização da pele.

Com relação ao tratamento das cicatrizes, hoje em dia, existem recursos para melhorá-las tanto as superficiais quanto as mais profundas, assim como as manchas residuais. São os peelings químicos, os lasers e os preenchimentos.

Esclareça as dúvidas com o seu dermatologista, ele sempre poderá ajudá-lo.

Saiba Mais