Blog

Você sabe o que é Fibromialgia? - Dr Salim Médico de Família

Você sabe o que é fibromialgia?

Conheça essa doença comum em mulheres entre 20 e 50 anos

A fibromialgia tornou-se muito conhecida nos últimos anos devido à alta incidência na população, principalmente entre as mulheres. Sua origem é totalmente desconhecida, apesar da intensa investigação feita em vários centros de estudos, principalmente nos Estados Unidos.

Um dos fatos mais intrigantes dessa doença é que não se detecta nenhuma alteração laboratorial e radiológica, sendo o resultado dos exames normal. Dessa forma, o diagnóstico é estritamente clínico.

Apesar de alguns estudos contrários, as desordens na esfera psicológica parecem ser mais atuantes para o aparecimento da fibromialgia. Deve-se salientar, também, que a doença atua negativamente na parte psicológica, de modo a produzir uma piora global do paciente.

O marco principal da doença é a dor nos músculos, descrita pelo paciente como “no corpo todo”. Por meio de um exame mais detalhado, observa-se que uns pontos são mais dolorosos do que outros, e eles são, em geral, os mesmos em todos os pacientes.

A maioria dos pacientes apresenta alterações psicoemocionais, tais como ansiedade, depressão e estresse, que parecem estar relacionadas com os sintomas da doença. Há também dificuldade em conciliar o sono – as pessoas acordam várias vezes durante a noite e ficam cansados e sonolentos durante o dia, gerando perda de concentração mental para leitura e atividades em geral.

Outros sintomas podem estar presentes, tais como fraqueza, cansaço fácil, dormência ou formigamento nas mãos ou em outra parte do corpo, dores nas juntas e dor de cabeça. Além disso, é frequente a queixa de junta e músculos inchados, não se constatando objetivamente nenhuma dessas alterações no exame clínico.

Com relação ao tratamento, dois aspectos devem ser considerados: as dores e a parte emocional. Quando se utilizam somente medicamentos para combater a dor, a resposta é pobre e transitória, e a dor retorna na mesma intensidade anterior. É importante um trabalho conjunto com fisioterapeutas, psicólogos e, eventualmente, psiquiatras.

 

Saiba Mais
O que é sarampo - Dr Salim Médico de Família

O que é sarampo?

Saiba mais sobre essa doença, que é potencialmente grave em crianças menores de cinco anos de idade.

O sarampo é uma doença infecto-contagiosa causada pelo Morbillivirus e que provoca manchas avermelhadas na pele. Sua transmissão é feita por secreções de vias respiratórias, como gotículas eliminadas pelo espirro ou pela tosse, de indivíduos doentes para outros não-imunizados.

O período de incubação dura entre oito e treze dias. Depois começam a aparecer os principais sintomas, com pequenas erupções na pele de cor avermelhada, febre alta, dor de cabeça, mal-estar e inflamação das vias respiratórias, com presença de catarro.

O tratamento do sarampo é sintomático, ou seja, visa aliviar os sintomas. Pessoas com a doença devem fazer repouso, ingerir bastante líquido, ter uma alimentação leve, limpar os olhos com água morna e tomar antitérmicos para baixar a febre.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação é única medida preventiva e a mais segura, já que ela é eficaz em cerca de 97% dos casos. Deve ser aplicada em duas doses a partir do nono mês de vida da criança. Adultos que não foram vacinados e não tiveram a doença na infância também devem tomar a vacina, com exceção às mulheres grávidas e aos indivíduos imunodeprimidos.

O sarampo é uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de cinco anos de idade, sobretudo as desnutridas e as que vivem nos países em desenvolvimento. No Brasil, graças às sucessivas campanhas de vacinação e programas de vigilância epidemiológica, o índice da doença é bem reduzido.

Dessa forma, é importante que alguns cuidados sejam tomados:

– Se você tem filhos, não se descuide do programa de vacinação deles;

– Tente saber um pouco mais sobre as crianças que convivem com eles;

– Não deixe de procurar o médico se presenciar manchas avermelhadas na pele dos seus filhos;

– Cuide de você também! Investigue se teve a doença quando era criança ou se já tomou a vacina. Se não, é essencial que vá a um centro de vacinação.

Saiba Mais