Febre Amarela - Por Dr. Salim Médico de Família

Febre amarela – Saiba tudo sobre a doença que coloca a zona norte em estado de alerta

Transmissão da febre amarela

A febre amarela é uma doença hemorrágica viral aguda transmitida por mosquitos infectados pertencentes às espécies Aedes e Haemagogus.

Um ser humano ou um primata (macaco) com o vírus é picado por um mosquito transmissor. Quando o mosquito pica um macaco doente, torna-se capaz de transmitir o vírus a outros macacos e ao homem que passa o micro-organismo para outra pessoa, que desenvolve a doença. Não é possível a transmissão direta entre pessoas e animais, e vice-versa.

Os mosquitos vivem em matas e vegetações à beira dos rios.

 

Tipos de febre amarela

 1. Febre amarela silvestre

Pode levar à morte em cerca de uma semana, se não for tratada rapidamente. A doença é comum em macacos, que são os principais hospedeiros do vírus. , são picados por mosquitos selvagens que passam o vírus para outros macacos. Ocasionalmente, os seres humanos que trabalham ou que viajam para a floresta são picados por mosquitos infectados e desenvolvem a doença. A febre amarela silvestre é transmitida através da picada de mosquitos Haemagogus e Sabethes.

 2. Febre amarela Urbana

O vírus que causa a febre amarela é transmitido por mosquitos pertencentes às espécies Aedes (principalmente Aedes aegypti), responsável também por transmitir a zika, a dengue e a chikungunya (leia também essa postagem).
Grandes epidemias ocorrem quando pessoas infectadas introduzem o vírus em áreas densamente povoadas com grande presença de mosquitos, e onde a maioria das pessoas tem pouca ou nenhuma imunidade, devido à falta de vacinação.

Desde 1942, o Brasil não registra casos de febre amarela urbana.

 

Sintomas da febre amarela

  • Fase inicial (mais comum) ao longo de 3 dias
  • Dores de cabeça;
  • Febre;
  • Perda de apetite;
  • Náuseas e vômito;
  • Dores musculares, principalmente nas costas;

 

Fase  Grave

A forma mais grave da doença é rara (só uma pequena proporção de pacientes que contraem o vírus desenvolve sintomas graves), e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), sintomas que podem resultar em morte num período de sete a 10 dias.

  • Febres altas;
  • Pele e olhos amarelos;
  • Sangramento da boca, nariz, olhos e estômago;
  • Vômitos;
  • Insuficiência hepática (fígado)  e renal;
  • Dores abdominais ;
  • Hemorragias gástricas;
  • Urina escura;

 

Diagnóstico da febre amarela

A febre amarela é difícil de diagnosticar, e o diagnóstico muitas vezes é baseado nas características clínicas do paciente, nos locais e datas de viagens (se o paciente é de um país ou área não endêmica), nas atividades e na história epidemiológica do local onde a presumida infecção ocorreu.

Geralmente, o diagnóstico por laboratório é realizado por meio de testes para detecção de anticorpos específicos. Às vezes, o vírus pode ser encontrado em amostras de sangue coletadas no estágio inicial da doença. Os resultados dos testes estão normalmente disponíveis entre 4 e 14 dias após o recebimento da amostra.

 

Tratamento da febre amarela

Não há um medicamento antiviral específico para a febre amarela, mas tratamentos contra desidratação, febre e falência do fígado e do rim trazem melhoras.

 

Prevenção da febre amarela

Vacinação de febre amarela

Segundo o Ministério da Saúde, a vacinação é a medida mais importante para prevenção e controle da doença, com eficácia de 95% a 99.

A dose única protege a pessoa para a vida toda, garante a Organização Mundial de Saúde.

Locais de vacinação em massa: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/noticias/?q=febre+amarela

Riscos da vacina de febre amarela

  • Não devem tomar:
  • Bebés com menos de 9 meses, exceto durante uma epidemia, situação em que os bebés entre 6-9 meses, em zonas onde o risco de infecção é elevado, também devem ser vacinados;
  • Mulheres grávidas – exceto durante um surto de febre amarela, quando o risco de infecção é elevado;
  • Mulheres em fase de amamentação;
  • Pessoas com alergias graves à proteína do ovo;
  • Pessoas com imunodeficiência grave por HIV/AIDS sintomática;
  • Idosos com mais de 60 anos .

 

Prevenção da febre amarela urbana

Combata a disseminação do Aedes aegypti. Os mosquitos se reproduzem em água limpa e se proliferam dentro dos domicílios e suas adjacênciasQualquer recipiente com água limpa e parada, como caixas d’água, latas e pneus, são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito deposite seus ovos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados.

 

Casos de febre amarela no Brasil

De acordo com o último boletim epidemiológico, desde o início do surto, em 1º de dezembro do ano passado, até 1º de agosto deste ano, foram confirmados 777 casos e 261 óbitos por febre amarela. Outros 2.270 casos foram descartados e 213 permanecem em investigação. Além disso, 304 casos foram considerados inconclusivos.

A Região Sudeste concentrou a maioria dos casos, com 764 confirmações, seguida da Região Norte (10) e Centro-Oeste (3). As regiões Sul e Nordeste não tiveram confirmações.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 34 países da África e 13 países da América Central e da América do Sul são endêmicos, ou têm regiões endêmicas de febre amarela. Estima-se que a cada ano ocorram entre 84 e 170 mil casos severos da doença e entre 29 e 60 mil mortes.
 

Vacinação  contra febre amarela obrigatória em viagens

Vacinar-se contra a febre amarela é uma proteção indispensável para visitar algumas áreas do Brasil, como a Amazônia e o Pantanal. E também é uma exigência de vários países do mundo (Austrália, Tailândia, África do Sul,México,  Barbados; veja a lista mais abaixo) para receber viajantes brasileiros.

Muita gente perde a viagem porque não se dá conta de que precisa ter o certificado internacional da vacina — e que a vacinação precisa ser feita 10 dias antes de embarcar. Por isso é que a gente recomenda que todo viajante que possa se vacinar tome a vacina, mesmo que não tenha uma viagem em vista a um país que exija o certificado.

Não basta simplesmente tomar a vacina de febre amarela , é preciso ter o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é emitido, gratuitamente, pela Anvisa.

De acordo com o Portal viagem na viagem, para tirar o seu,  compareça a um dos centros de atendimento como nos aeroportos e portos. Leve o certificado de vacinação que recebeu no posto de saúde e sua carteira de identidade. O número da identidade será incluso no CIVP. A Anvisa recomenda criar um cadastro neste site https://viajante.anvisa.gov.br/viajante/ para agilizar o atendimento, mas isso não é obrigatório. O CIVP fica pronto na hora. Anexe ao seu passaporte em seguida. Viaje levando também a sua carteira de identidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *