Leucemia mieloide aguda | Dr Alfredo Salim Helito CRM 43.163-SP Médico de Família - Hospital Sírio Libanês

Leucemia mieloide aguda

Quem é mais acometido?

É o tipo mais comum e grave das leucemias. Atinge 15% das crianças com leucemia e acomete adultos em todas as faixas etárias, aumentando com a idade e com a incidência substancial após os 70 anos.

Como são denominadas?

A leucemia mieloide aguda recebe a denominação “de novo” quando não existe fator de risco anterior que possa justificar o desenvolvimento da doença. É denominada secundária quando ocorre após a exposição do paciente a agentes leucemogênicos (causadores de leucemias), após a síndrome mielodisplática, ou em pacientes que já foram tratados de outras neoplasias (tumores).

Quais são os achados nos exames laboratoriais?

A anemia é uma característica constante no hemograma decorrente, em geral, da inadequada produção dos glóbulos vermelhos, e pode ser de leve a grave. A contagem das plaquetas geralmente está diminuída.

A presença de células anômalas no hemograma não é obrigatória, sendo o mielograma o determinante do diagnóstico, complementado com os exames específicos (imunofenotipagem e cariótipo).

 Como se trata?

A meta do tratamento das leucemias agudas é a indução de remissão (não detenção de sinais da doença e recuperação do sangue periférico), e a posterior prevenção de recaídas.

A quimioterapia é a principal forma de tratamento das leucemias. Pode ser feita com drogas isoladas, ou uma combinação de 2 ou mais drogas. A radioterapia e o transplante de medula óssea são também formas de tratamento.

O tratamento intensivo das leucemias agudas com combinações de vários agentes quimioterápicos, e o transpolantes de medula óssea, têm permitido a um grande número de pacientes a cura, ou o aumento da sobrevida.

É importante salientar que a colocação de cateteres de longa permanência, o tratamento de suporte com transfusões de glóbulos vermelhos, plaquetas, antibióticos e antieméticos (medicações usadas para diminuir náuseas e enjoos) potentes, contribui muito para o sucesso da resposta satisfatória dos pacientes com leucemias agudas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *