BLOG

Pancreatite aguda: causas, sintomas e tratamento

O que é e como funciona o pâncreas?

O pâncreas é um órgão esponjoso tibular, de cerca de 15 cm, localizado posteriormente ao estômago. É responsável pela produção do suco pancreático e de hormônios, incluindo a insulina. O suco pancreático é responsável pela digestão dos alimentos, e a insulina é responsável pelo controle dos níveis de açúcar no sangue. Ambos são necessários para o bom funcionamento do organismo.

 

O que é pancreatite?

A pancreatite é uma doença rara, na qual o pâncreas se torna inflamado. A lesão ao pâncreas ocorre quando as enzimas digestivas, do próprio pâncreas são ativadas e começam a atacar o órgão. As enzimas e toxinas podem cair na corrente sanguínea, e causar danos sérios aos outros órgãos, como pulmões e rins.

Existem 2 tipos de pancreatite: aguda e crônica. A forma aguda ocorre repentinamente e pode ser severa, e causar complicações por toda a vida. Na maior parte dos casos, o paciente se recupera totalmente, mas, se o pâncreas continuar a ser agredido, por exemplo, pelo consumo de álcool, que causa dor severa e perda da função pancreática responsável pela digestão, resultando em perda de peso.

Veja também: Você conhece as causas da pancreatite crônica?

 

Quais são as causas?

A maior parte dos casos de pancreatite é causada pelo consumo de álcool e cálculos vesiculares. Outras causas raras podem ser o uso de algumas medicações, trauma, cirurgia abdominal e até alguns tipos de infecção. Em uma parcela dos pacientes, a causa pode não ser descoberta.

 

Quais são os sintomas da pancreatite aguda?

A pancreatite aguda geralmente se inicia com dor no abdome superior, que pode perdurar por alguns dias, geralmente de forte intensidade. Pode se iniciar como uma dor súbita e constante, ou ser de baixa intensidade com aumento progressivo. Geralmente se irradiando para as costas. A dor piora ao alimentar-se, e associada a ela, pode haver náuseas, vômitos e febre.

 

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de pancreatite aguda é feito a partir da história clínica do paciente, exame físico e exames complementares. Entre os exames complementares, podemos encontrar altos níveis de amilase (enzima produzida pelo pâncreas) presente no sangue. Outros exames também podem estar alterados (lipase, cálcio, magnésio, sódio e potássio) além da tomografia computadorizada (realizada em alguns casos) a fim de visualizar o tecido pancreático.

 

Qual é o tratamento?

O tratamento da pancreatite aguda é feito com medidas de suporte como jejum, antibiótico e sintomático (medicação que combate os sintomas como, por exemplo, os analgésicos). Em geral, em 3 ou 4 dias o paciente já apresenta melhora importante, podendo retornar lentamente às suas atividades habituais. Em casos de pancreatite aguda grave, pode ser necessário tratamento cirúrgico.

Depois que os sinais de pancreatite cessam, deve ser determinada sua causa, a fim de se tentar prevenir futuros ataques. Em casos de pancreatite aguda causada por litíase vesicular (pedras na vesícula biliar) a retirada da vesícula biliar é indicada.

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OU MANDE UMA MENSAGEM

agsdi-whatsapp