Sífilis tem cura, qual o tratamento? - Dr Salim Médico de Família

Sífilis tem cura, qual o tratamento?

Diversas doenças podem ser adquiridas pelo contato sexual, e a sífilis também é uma delas.

Sífilis tem cura, qual o tratamento? - Dr Salim Médico de Família

Bactéria Treponema Pallidum

Classificada como DST (Doença Sexualmente Transmissível), a sífilis é causada pela bactéria Treponema Pallidum, e tem como sintoma principal a formação de ulceração indolor na região genital.

Essa classe de doenças costuma ser muito temida porque pode trazer consequências severas para saúde, inclusive levar à morte do indivíduo. Então, a preocupação principal de quem recebe diagnóstico é saber se a sífilis tem cura.

Neste post vamos falar sobre isso explicando se é possível tratar e curar a sífilis, além de trazer outras informações importantes sobre essa doença. Continue lendo.

Existe tratamento para sífilis?

As DSTs não são doenças modernas. Elas circulam entre as pessoas desde épocas muito remotas, porém, somente com o avanço da medicina é que foi possível aprimorar o diagnóstico e desenvolver tratamentos eficazes.

Hoje a sífilis tem cura, mas isso não ocorre de forma espontânea. Se não tratada, sua bactéria causadora se multiplica e se espalha pelo organismo. Quando se passam anos, essa doença pode atacar o sistema nervoso central, provocando o quadro chamado de neurosífilis.

O tratamento é indicado pelo médico de acordo com a fase em que a doença se encontra. De toda forma, o uso de antibióticos é a técnica aplicada, sendo que a penicilina benzatina, ou benzetacil, é a substância que apresenta melhores resultados, com mais de 95% de taxa de cura.

Por isso, quando o diagnóstico é positivo, esse medicamento é a primeira opção. Em relação a outros antibióticos, a benzetacil se mostra muito superior, e isso e evidenciado pelo fato de que ela pode ser indicada até mesmo para pessoas que apresentam alergia à sua fórmula. Porque a dessensibilização é preferível ao uso de um antibiótico que não trará o mesmo efeito.

De toda forma, a benzetacil pode ser substituída em caso de alergia grave pelo medicamento doxiciclina, porém, isso para os casos de sífilis primária, secundária ou latente, que possuem menos de um ano de infecção, e para os casos de sífilis com mais de um ano de infecção, a terciária e aqueles por tempo indeterminado.

Quando o quadro evolui para a neurosífilis, temos a condição citada anteriormente. Os pacientes alérgicos também são tratados e dessensibilizados, para poderem realizar um tratamento eficaz. Ainda assim, somente um médico capacitado pode definir quando cada substância é a melhor escolha para o paciente.

 

Tratamento da sífilis na gravidez

A sífilis tem cura também durante a gravidez, e é fundamental que ela seja tratada porque pode trazer consequências graves para a saúde do bebê. Felizmente a benzetacil não é contraindicada na gestação, e a mulher pode realizar o tratamento sem riscos.

O problema maior está nos casos de alergia a benzetacil, porque a doxiciclina não é recomendada durante a gravidez. Então, a mulher é submetida ao teste alérgico para observar se a alergia ainda persiste ou se é um falso diagnóstico.

Isso ocorre porque o organismo pode desenvolver resistência com o passar dos anos, e também porque não é raro que os efeitos colaterais sejam confundidos com quadros alérgicos. Então, os testes são realizados para verificar se alergia existe e se é grave, para fazer o processo de dessensibilização.

 

Como é diagnosticada a cura da sífilis

A forma como o tratamento será conduzido e definida em função da gravidade de cada caso e das condições de cada paciente. Após receber todas as doses do medicamento, para saber se  o paciente foi curado é preciso repetir o exame VDRL a cada 6 meses.

Esse é o exame que indica a presença da bactéria no organismo, e ele deve ser frequente por 2 anos. Sabe-se que a sífilis foi curada quando o exame indica uma redução de 4 titulações depois de 6 meses e quedas gradativas ao longo do tempo.

Não é preciso que o VDRL chegue a zero para que o médico classifique o caso como curado. Uma queda relevante nos valores, bem como o retrocesso dos sintomas, é suficiente para isso. Se a melhora não for observada, então o paciente é mais uma vez tratado e ainda pode ser preciso tratar também o parceiro sexual.

É muito importante entender que a sífilis uma vez curada não volta a se manifestar. Porém, o paciente não adquire imunidade para toda a vida. Isso significa que ele pode ser infectado de novo e desenvolver sífilis mais de uma vez ao longo de sua vida.

Por isso, embora a sífilis tenha cura, o ideal e prevenir-se, já que ela pode se manifestar de forma grave e é possível ter a doença outra vez. Então, procure manter relações sexuais seguras e sempre faça acompanhamento médico para observar a sua saúde. E o mais importante: vença o preconceito, faça o teste e trate a doença caso ela seja diagnosticada.

É alarmante o aumento de doenças sexualmente transmissíveis no Brasil, confira essa minha postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *