Tétano - Dr Salim Médico de Família

Tétano: vacinação é obrigatória no primeiro ano de vida

A doença

O tétano é causado por bactérias encontradas no solo, poeira, esterco, excrementos de animais e outros locais. Trata-se de uma infecção bacteriana que surge a partir de uma ferida ou corte.

As bactérias do tétano podem infectar uma pessoa mesmo com um pequeno arranhão. Mas é mais provável que você obtenha o tétano através de perfurações profundas causadas por unhas ou facas. As bactérias viajam via sangue ou nervos para o sistema nervoso central

Quando essas bactérias entram em uma picada na pele, elas podem criar uma toxina mortal chamada tetanospasmina.

Isso faz com que a condição conhecida como tétano, afete o cérebro, o sistema nervoso e os nervos do corpo. Os sintomas incluem espasmos nervosos musculares extremamente doloridos e contrações que se espalham da face para os braços e pernas, debilitando o corpo e afetando a capacidade de respirar.

Espasmos da mandíbula podem impossibilitar você de abrir a boca. Essa condição é freqüentemente chamada de “lockjaw”.

O tétano mata uma em cada cinco pessoas infectadas com a doença. O tétano não tratado é frequentemente fatal. Se você desenvolver tétano, vá a um hospital o mais rápido possível. A vacina contra o tétano para crianças e adultos é o principal meio de prevenir a doença.

 

Sintomas do tétano

Os sintomas geralmente começam cerca de uma semana após a infecção. Mas isso pode variar de três dias a três semanas ou até mais. O sintoma mais comum é uma mandíbula rígida, que pode ficar “bloqueada”. É assim que a doença passou a ser chamada de trismo.

Podem incluir:

  • Dor de cabeça;
  • Rigidez muscular, começando na mandíbula, depois no pescoço e nos braços, pernas ou abdome;
  • Dificuldade para engolir;
  • Inquietação e irritabilidade;
  • Suor e febre;
  • Palpitações e pressão alta;
  • Espasmos musculares no rosto, causando um sorriso rígido ou sorriso estranho
  • Se não for tratado, o tétano pode causar a morte por sufocamento.

 

Tratamento do Tétano

Obtenha ajuda médica imediatamente

Vá a uma clínica médica ou sala de emergência do hospital para sintomas do tétano: músculos rígidos e espasmos dolorosos, geralmente começando na mandíbula e no pescoço.

Acompanhamento

  • A pessoa receberá imediatamente uma injeção de imunoglobulina e uma dose de vacina contra o tétano.
  • Relaxantes musculares e sedativos podem ser necessários.
  • A pessoa necessitará de hospitalização, provavelmente na unidade de terapia intensiva.

 

Vacina contra Tétano

Como e quando você deve receber a vacina contra o tétano?

Você normalmente recebe vacina de tétano no músculo deltóide ( ombro ). Se você não recebeu uma vacina contra o tétano quando criança, deve começar com uma série primária de três doses sendo a primeira dose uma combinação três-em-um chamada Tdap que protege contra tétano, difteria ( Td ) e coqueluche ( tosse convulsa). ). As outras duas doses são uma vacina dupla (Td) que cobre o tétano e a difteria. Você recebe essas vacinas durante um período de sete a 12 meses. A vacinação contra a coqueluche é especialmente importante para aqueles em contato direto com bebês ou pacientes jovens.

 

Gravidez x vacina contra Tétano

Não há problema em receber a vacina contra o tétano durante a gravidez. De fato, as diretrizes atuais recomendam que todas as mulheres grávidas recebam uma vacina Tdap cada vez que estiverem grávidas, especificamente para prevenir a coqueluche.

 

Esquema de vacinação contra o Tétano

  • Bebê  – aos 2, 4 e 6 meses – tríplice bacteriana
  • Adultos – 20 a 59 anos – dT/ dTpa – (difteria e tétano, tipo adulto) em não vacinados – 3 doses em 0, 30 e 180 dias  e Reforço a cada dez anos.

 

Efeitos colaterais da vacina contra Tétano

  • Dor, vermelhidão ou inchaço no local da injeção;
  • Febre;
  • Dor de cabeça ou dores no corpo;
  • Fadiga;

Uma reação alérgica grave, o choque anafilático, também é muito raro, mas pode ocorrer em poucos minutos após a vacinação e os sintomas são:

  • Rubor na pele, comichão ou inchaço;
  • Dificuldade em respirar ou outros sintomas respiratórios;
  • Náuseas, vômitos, diarreia ou cólicas abdominais;
  • Tontura, pressão arterial baixa, batimentos cardíacos acelerados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *