Alergia de pele

O que é uma alergia de pele?

A alergia de pele, ou dermatose alérgica, é uma reação que se manifesta na pele, de diferentes maneiras, tais como vermelhidão, inchaço, descamação ou coceira. As principais dermatoses alérgicas são as urticárias, o angioedema, as dermatites de contato e a dermatite atópica. No post de hoje, vamos falar sobre urticária e angioedema.

Urticária e o angioedema

A urticária é um quadro de alergia de pele, caracterizado por lesões avermelhadas e elevadas que aparecem em qualquer parte do corpo, duram minutos e desaparecem espontaneamente, podendo reaparecer em seguida em outros locais. Na maioria das vezes, as lesões da urticária são acompanhadas por uma coceira intensa.

Estudos americanos estimam que por volta de 25% da população apresentem ao menos um episódio de urticária em algum momento da vida. O angioedema caracteriza-se por um inchaço das camadas mais profundas da pele, acometendo principalmente pálpebras, lábios, mãos, pés e genitais.

Muitas vezes o angioedema pode aparecer juntamente com a urticária. No entanto, ao contrário da urticária, o angioedema raramente provoca coceira nas partes acometidas.

Quais são as causas da urticária e do angioedema?

Tanto a urticária como o angioedema são provocados pela ação da histamina na pele. Os mastócitos liberam histamina quando estimulados, tanto por mecanismos imunológicos, quanto pela ação direta de determinadas substâncias. Portanto, podem ocorrer casos de urticária ou de angioedema em que não há a produção excessiva de lgE, como é o caso das urticárias causadas por alguns tipos de medicamentos.

Nos adultos, um dos principais fatores desencadeantes de uma alergia de pele, como a urticária ou angioedema, são os medicamentos, principalmente os anti-inflamatórios não hormonais (por exemplo o ácido acetilsalicílico e o dicloÍenaco), penicilinas e anti-hipertensivos (principalmente os inibidores da enzima conversão da angiotensina). Alguns alimentos também podem desencadear quadros de urticária em adultos, especialmente frutos do mar, ovos, nozes e soja.

Nas crianças, os principais fatores desencadeantes são as infecções virais e alimentos como trigo, ovo e leite. Além disso, em até 60% dos pacientes com urticária crônica, não existe um fator desencadeante aparente. Esses casos são chamados urticária idiopática e recentemente ficou demonstrado que muitos destes casos são autoimunes (desencadeados por uma resposta imunológica do indivíduo). Existem ainda formas pouco comuns de urticária, desencadeadas por estímulos físicos tais como calor, frio, água, sol e exercício. ”

Na maior parte dos casos, existe uma relação direta entre o aparecimento das lesões e a exposição prévia a um fator desencadeante (como vírus, alimentos ou medicamentos). No entanto, alguns pacientes não apresentam uma história que sugira um agente específico como o responsável pelo aparecimento das lesões.

Nestes casos, a investigação é, muitas vezes, trabalhosa, nem sempre se consegue descobrir a causa. O mais importante durante essa investigação é que se consiga um bom controle do quadro, para que o paciente leve uma vida normal.

Qual é o melhor tratamento para a urticária e angioedema?

A primeira medida a ser tomada é o afastamento do agente causador, quando este for conhecido. Uma vez que o indivíduo não tenha mais contato com esse agente, o quadro de urticária ou angioedema tende a desaparecer. Todavia, é bom lembrar que em qualquer momento da vida em que o indivíduo volte a ter contato com tal agente, pode ocorrer uma recidiva.

Por outro lado, nos casos em que o agente causador ainda não foi identificado, e, para alívio dos sintomas, utiliza-se um anti-histamínico. No entanto, nos casos mais graves, muitas vezes são necessárias associações de outras drogas como corticoides, para que o quadro seja controlado.

Gostou do conteúdo? Deixe o seu comentário abaixo!

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM