Cuidado com a dengue!

Nos últimos dias, tem aumentado o número de casos de dengue em São Paulo. Mesmo com a crise hídrica, cidades como Catanduva e Botucatu já registram casos da doença neste ano. E, na capital paulista, não deve ser diferente. Por isso, é importante ficar atento com a água parada na sua casa. Como tem mais gente guardando água, pode haver ainda mais lugar para o mosquito Aedes aegypti se procriar.

Além disso, preocupado com a crise hídrica, o poder público não toma os devidos cuidados, com medidas de combate à doença. A dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus, sendo um dos principais problemas de saúde pública no mundo e pode matar.

Há quatro tipos diferentes: os sorotipos 1, 2, 3 e 4. Todos podem causar as diferentes formas da doença. Ela é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais, inclusive no Brasil. As epidemias geralmente ocorrem no verão, durante ou imediatamente após os períodos chuvosos. Os transmissores da dengue proliferam-se dentro ou nas proximidades de habitações, como casas, apartamentos e hotéis, em recipientes onde se acumula água, como vasos de plantas, pneus velhos, cisternas, entre outros.

 

Tipos da dengue

Clássica: é a forma mais leve da doença, sendo muitas vezes confundidas com a gripe. Tem início súbito e os sintomas podem durar de cinco a sete dias. Os sinais são febre alta (39º a 40º), dores de cabeça, cansaço, dor muscular e nas articulações, indisposição, enjoos, vômitos, entre outros;

Hemorrágica: acontece quando a pessoa infectada com dengue sofre alterações na coagulação sanguínea. E, se não for tratada com rapidez, pode levar à morte. No geral, esse tipo é mais comum quando o indivíduo está sendo infectado pela segunda ou terceira vez. Os sintomas inicias são parecidos com a dengue clássica, e somente no terceiro ou quarto dia surgem hemorragias, causadas pelo sangramento de pequenos vasos na pele e outros órgãos. Na dengue hemorrágica, ocorre uma queda de pressão arterial do paciente, podendo gerar tonturas e quedas.

 

Tratamento

Não existe tratamento específico contra o vírus da dengue. Tomar muito líquido para evitar desidratação e utilizar medicamentos para baixar a febre e analgésicos são as medidas de rotina para aliviar os sintomas.

Pacientes com dengue, ou com suspeita da doença, precisam de assistência médica. Sob nenhum pretexto, devem recorrer à automedicação, pois jamais podem usar antitérmicos que contenham ácido acetilsalicílico (AAS, Aspirina, Melhoral), nem anti-inflamatórios (Voltaren, diclofenaco de sódio, Scaflan), que interferem no processo de coagulação do sangue.

 

Como prevenir a dengue?

Dessa forma, é possível perceber que a dengue é muito perigosa e pode matar. Por isso, a população tem que se prevenir. As larvas do Aedes aegypti nascem e se criam em água parada. Assim, evitar esses focos da reprodução desse vetor é a melhor forma de prevenir a dengue. Veja algumas dicas:

Evite o acúmulo de água

O mosquito coloca seus ovos em água limpa, mas não necessariamente potável. Então, é importante jogar fora pneus velhos, virar garrafas com a boca para baixo e, caso o quintal seja propenso à formação de poças, realizar a drenagem do terreno. Também é necessário lavar a vasilha de água do bicho de estimação regularmente e manter fechadas tampas de caixas d’água e cisternas;

Coloque areia nos vasos de plantas

O uso de pratos nos vasos de plantas pode gerar acúmulo de água. Portanto, é necessário ou eliminar esse prato, ou lavá-lo regularmente ou colocar areia. Esta última é uma boa opção, porque a areia conserva a umidade e ao mesmo tempo evita que o prato se torne um criadouro de mosquitos;

Limpe as calhas

Grandes reservatórios, como caixas d’água, são os criadouros mais produtivos de dengue, mas as larvas do mosquito podem ser encontradas em pequenas quantidades de água também. Para evitar até essas pequenas poças, calhas e canos devem ser checados todos os meses, pois um leve entupimento pode criar reservatórios ideais para o desenvolvimento do Aedes aegypti;

Coloque tela nas janelas

Embora não seja tão eficaz, uma vez que as pessoas não ficam o dia inteiro em casa, colocar telas em portas e janelas pode ajudar a proteger sua família contra o mosquito da dengue. O problema é quando o criadouro está localizado dentro da residência. Nesse caso, a estratégia não será bem sucedida. Por isso, não se esqueça de que a eliminação dos focos da doença é a maneira mais eficaz de proteção.

Veja também: Qual é a diferença entre gripe, dengue, zika virus e chikungunya?

Essas são algumas atitudes do dia a dia que podem fazer toda a diferença. Não se esqueça de que a prevenção é a melhor forma de combater a dengue. E, não é porque está faltando água em São Paulo, que devemos nos descuidar da doença. Essa época de verão é propensa para a proliferação do mosquito, então é necessário cuidado.

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. Casos de dengue aumentam em São Paulo | Médico de Família - […] A população precisa ficar atenta com esse problema, já que a prevenção é a melhor forma de combater o…

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM