Doenças da traqueia

Quais são as principais doenças da traqueia?

As doenças da traqueia podem ser divididas em congênitas, infecciosas, neoplásicas (tumorais) e estenoses adquiridas. Além disso, uma outra causa importante de afecção traqueal e produzida pela aspiração de corpos estranhos (alimentos ou objetos), que podem provocar obstrução da via aérea com risco de vida para o paciente.

Quais são as malformações congênitas que acometem a traqueia?

As afecções congênitas podem ser basicamente de 2 tipos: as estenoses traqueais (redução do calibre) congênitas e os anéis vasculares. Os anéis vasculares são as más formações da aorta e da artéria pulmonar, que podem comprimir a traqueia e o esôfago entre seus ramos, provocando o que se chama traqueomalácia (perda da estrutura cartilaginosa). Essas afecções afetam basicamente crianças recém-nascidas e a sintomatologia que provocam é de insuficiência respiratória pela redução do calibre da traqueia.

Como é feito o diagnóstico desse tipo de afecção?

Como essas afecções reduzem o calibre da via aérea, o quadro clínico costuma ser exuberante devido ao desconforto respiratório resultante. Essa suspeita diagnóstica pode ser confirmada por exames de imagem como radiografia, tomografia da traqueia, angiogramas ou broncoscopia.

Entretanto, a realização desses exames deve ser cuidadosamente planejada para evitar que a manipulação provoque edema da área estenosada (comprimida), o que poderia agravar mais ainda a insuficiência respiratória da criança.

Qual é o tipo de tratamento adequado para essas afecções?

O tratamento desse tipo de afecção, quando viável, deve ser o mais conservador possível. Deve-se evitar até mesmo a intubação da criança, porque o contato da cânula de intubação com a mucosa da traqueia provoca trauma com irritação e edema, podendo piorar os sintomas, fazendo que essa cânula não possa mais ser retirada sob pena de a criança desenvolver uma obstrução aguda da via aérea.

Nos casos em que a intubação se faz necessária, é indicado o tratamento cirúrgico para alívio da compressão da traqueia pelos vasos, ou com ressecção (remoção) da área danificada e reconstrução traqueal.

Quais são as doenças infecciosas da traqueia? 

As traqueítes ou traqueobronquites são processos inflamatórios ou infecciosos, que podem ser causados por diferentes agentes como vírus, bactérias ou mesmo agentes físicos (gases, calor, radiação, etc.). O quadro clínico é de tosse irritativa ou com expectoração, dor, podendo também ocorrer falta de ar e febre. A terapêutica envolve o tratamento da doença de base, podendo ser necessário o uso de antibióticos além da medicação sintomática.

Qual é a sintomatologia que esses pacientes apresentam?

O aspecto comum a todas essas lesões é o seu crescimento para dentro da luz da traqueia, o que faz que em geral os pacientes apresentem tosse, hemoptise, pneumonias de repetição (pela dificuldade de expectorar as secreções) e dificuldade respiratória. Muitas vezes, a dificuldade respiratória é confundida e erroneamente tratada durante longos períodos como se fosse sintoma de asma, retardando o diagnóstico correto da doença.

Os exames de imagem como a tomografia de traqueia e principalmente a broncoscopia, por permitir a biópsia da lesão, são os principais exames para o diagnóstico.

Qual é o tratamento dos tumores traqueais?

No caso dos tumores malignos primários, o tratamento ideal é a ressecção (retirada) radical da lesão (com margem de segurança) e a reconstrução da traqueia. Entretanto, nem sempre isso é possível devido às características do tumor. Por sua vez, os tumores têm a tendência a invadir os tecidos próximos às características do tumor.

Por sua vez, os tumores possuem tendência a invadir os tecidos próximos à traqueia. Nos casos dos tumores benignos ou nos malignos, nos quais não é possível se fazer ressecção completa, o objetivo do tratamento passa a ser paliativo, minimizando os sintomas no sentido de permeabilizar a via aérea. Nesses casos, podemos empregar técnicas como o laser ou as desobstruções mecânicas com broncoscópio rígido. Ainda podem ser empregadas as próteses traqueais no sentido de se manter a via aérea pérvia. Nos casos de tumores malignos também pode-se empregar a radioterapia e a quimioterapia como tratamentos complementares, embora o grau de resposta não seja alto.

Qual é o perigo da aspiração de corpos estranhos?

A aspiração de corpo estranho é um dos quadros mais dramáticos e urgentes da medicina. Embora possa acontecer em adultos, é muito mais frequente em crianças. É por esse motivo que não se deve deixar que crianças brinquem com objetos pequenos ou com alimentos em grãos (feijão, milho, amendoim, etc.) porque elas levam à boca esses alimentos e, ao se desequilibrar ou chorar, podem fazer uma inspiração profunda que provoca a aspiração (para dentro da via aérea) em lugar da deglutição (para a via digestiva) do objeto.

Uma vez aspirado, o corpo estranho pode se alojar na via aérea, num dos brônquios, e provocar tosse e falta de ar importantes. Caso não seja retirado logo, acaba levando ao acúmulo de secreções que podem se infectar e provocar uma pneumonia, piorando o quadro da falta de ar. Mais grave do que isso, é quando o corpo estranho permanece na traqueia, podendo provocar morte por asfixia por obstruir totalmente a via aérea.

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM