BLOG

Edema (inchaço) nas pernas

Nos vasos capilares, local onde ocorre a troca de substâncias entre o sangue e os tecidos, há um equilíbrio nas pressões que fazem a parte líquida do sangue sair dos vasos e a pressão exercida pelas proteínas do sangue para fazer esse liquido retornar aos vasos. 

Assim, na extremidade arterial dos capilares, a pressão de saída é maior do que a de entrada, e vice-versa, na extremidade venosa do capilar. Dessa maneira, os tecidos recebem oxigênio e substâncias nutritivas, que normalmente não acumula líquido nos tecidos. Quando esse equilíbrio se rompe, ou por aumento da pressão nos capilares venosos, ou por diminuição das proteínas no sangue, o liquido se acumula nos tecidos constituindo o edema.

Em que condições ocorre o edema nas pernas?

As pernas podem inchar em 4 circunstâncias:

– Quando existe um aumento na pressão das veias;
– Quando há aumento das proteínas no plasma;
– Quando os linfáticos não conseguem remover o líquido dos tecidos;
– Quando há o aumento da permeabilidade dos capilares.

Quais são as situações em que há aumento de proteínas no plasma?

Em várias situações, a saber: na trombose, na sequela da trombose venosa, na insuficiência cardíaca congestiva, na insuficiência renal, na insuficiência das glândulas suprarrenais, e com o uso de medicações que retêm liquido no organismo como estrogênios e corticoides. Ainda, pacientes que permanecem sentados por longo tempo, como em viagens prolongadas, e mulheres em época de menstruação ou de gestação, também podem apresentar inchaço das pernas pelo mesmo motivo.

Quais são as doenças que causam diminuição de proteínas no plasma?

Nas doenças do fígado (insuficiência hepática), pode haver menor produção de proteínas, e nas doenças dos rins (síndrome nefrótica) pode haver eliminação aumentada de proteínas pela urina, ambas as condições determinando queda da taxa de proteínas no plasma.

Doenças do intestino promovendo menor absorção, e consequente perda de proteínas pelas fezes e ingestão diminuída de proteínas (desnutrição proteica) também podem ser as causas de inchaço nas pernas, pelo mesmo motivo.

Quando ocorre aumento de permeabilidade capilar?

Extravasamento da parte líquida do sangue para os tecidos através da parede dos vasos capilares ocorre na presença de processos inflamatórios (por exemplo, na tendinite) ou infecciosos (por exemplo, na erisipela), após traumas em reações alérgicas, na deficiência de vitamina C (escorbuto) ou por influencia de alguns medicamentos como os utilizados no tratamento de hipertensão arterial, e também com anti-inflamatórios.

Algumas mulheres apresentam inchaço de pernas que se acentua com o calor, e na época menstrual e que se acompanha de cansaço e dor de cabeça, cuja causa se desconhece, constituindo o chamado edema idiopático.

Como se diferencia inchaço

O edema de causa vascular é, geralmente, numa perna só, ao passo que os edemas de causa geral acometem as 2 pernas, podendo também ocorrer em outras partes do corpo (face, mãos e abdome).

No hipotireoidismo, as pernas podem inchar?

Sim, quando a glândula tireoide funciona mal, produzindo pouco hormônio (hipotireoidismo), pode ocorrer infiltração líquida dos tecidos com aumento de volume das pernas.

Como se faz o diagnóstico diferencial do edema das pernas?

O médico, com base na história clínica e no exame físico, tem condições, na maioria das vezes, de fazer o diagnóstico da causa do edema. Exames complementares laboratoriais, o ultrassom Doppler e a tomografia computadorizada podem ser úteis para confirmar suspeitas clínicas.

Como se trata o edema das pernas?

Todo paciente com inchaço de pernas deve manter rigorosa higiene dos pés, combatendo as micoses interdigitais (frieiras) e evitando traumas que possam ferir a pele e originar infecções que se estendam pelo membro na forma de celulite ou erisipela.

Nos edemas em que a causa é o aumento da pressão nas veias, o repouso com elevação das pernas fornece excelente resultado, devendo-se usar enfaixamentos elásticos (meias ou faixas elásticas) para evitar o reaparecimento do edema quando o paciente volta à atividade diária.

É preciso ressaltar que a doença de base, que causou o edema, deve ser tratada, pois é esse procedimento que determinará a sua melhora. Para isso, é preciso seguir a orientação de seu médico, que também indicará a medicação a ser tomada.

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OU MANDE UMA MENSAGEM