Endocardite

A imagem mostra uma mão segurando uma coração feito de tecido para artesanato.

O coração normalmente é imune a infecções, porque dentro dele o sangue circula muito rapidamente. Mesmo que haja bactérias na corrente sanguínea, não há tempo para que elas se instalem dentro do órgão. Existem algumas anormalidades na parte interna do coração que modificam o fluxo ali dentro, passando a haver turbilhonamento de sangue, como o curso de um rio desviado por uma rocha. Podem ser defeitos de nascença (congênitos) na estrutura interna do coração ou doenças nas válvulas cardíacas. Estes problemas são popularmente conhecidos como sopros, porque provocam sons diferentes nos batimentos cardíacos. Usuários de drogas injetáveis também têm risco de endocardite.

Quem tem sopro cardíaco decorrente de uma das condições citadas, está mais propenso a apresentar uma infecção grave e, felizmente, muito rara, chamada endocardite. Por contaminar o sangue que passa dentro dele, o coração torna-se uma fonte de bactérias para todo o organismo, causando inúmeras complicações

Quais os sintomas de endocardite?

A pessoa com endocardite pode ter:

  • Febre;
  • Fraqueza;
  • Falta de apetite;
  • Anemia, manchas na pele;
  • Mancha nos olhos e debaixo das unhas;
  • O sopro que já tinha fica mais forte.

Se uma válvula for danificada pela infecção, a situação complica-se ainda mais, por prejudicar seriamente a função de bomba do coração (insuficiência cardíaca). A doença pode matar.

Tratamento e prevenção

O tratamento é longo: 4 a 6 semanas de antibiótico (1 ou mais tipos) na veia, cirurgia para troca da válvula em casos muito graves, e tratamento das complicações.

Entretanto, a prevenção da endocardite pode ser feita, e é muito simples. Pessoas portadoras de sopro cardíaco (exceto sopros de coração normal ou fisiológicos) devem tomar antibióticos antes de qualquer procedimento que possa liberar bactérias na circulação.

São apenas 1 ou 2 doses, a serem tomadas antes de tratamentos dentários profundos (cáries grandes, extração, canal, gengiva), exames invasivos (colonoscopia, por exemplo) e cirurgias diversas (vesícula, por exemplo). Cabe ao médico receitar o antibiótico certo para cada situação.

O conteúdo foi esclarecedor? Deixe um comentário abaixo. Compartilhe nas redes sociais!

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM