Endometriose

A mucosa que reveste o útero por dentro e que é eliminada em grande parte na menstruação chama-se endométrio. Esse tecido é como a grama de jardim, que cresce e é aparada periodicamente, restando uma base para permitir novo crescimento. Em grande parte, o sangue menstrual flui através do colo uterino para a vagina e daí para o exterior; mas uma pequena quantidade pode retornar pela trompa e cair nos ovários e na cavidade abdominal. Às vezes, esse sangue, contendo fragmentos de endométrio com certa vitalidade e havendo condições locais, pode crescer nos ovários ou dentro do abdome, originando a endometriose, que responde aos hormônios e vai “menstruar” periodicamente. Assim, o sangue e endométrio eliminados desses focos de endometriose irritam os tecidos adjacentes, originando um processo inflamatório com formação de cicatriz e cistos.

Continue lendo para saber mais informações sobre o assunto!

Quais são os sintomas da endometriose? 

Cerca de 30% dos casos de endometriose são assintomáticos e só são diagnosticados por ocasião de cirurgia por outros motivos. O extravasamento de sangue nos focos de endometriose, na mesma época que a menstruação, origina dores de intensidade variável nesse período. Com o evoluir do processo, aumenta também a dor referida pela paciente como cólica menstrual, que diminui sensivelmente após a menstruação.

E, portanto, uma dor cíclica. A dor profunda durante as relações sexuais constitui outra queixa muito comum, pela distensão de um tecido inflamado localizado no fundo da vagina e vizinhança. A dor ou desconforto, ou mesmo sangramento ao evacuar ou urinar, durante o período menstrual, ocorre quando a endometriose acomete profundamente a parede do reto ou da bexiga.

A investigação sobre a causa da esterilidade pode revelar em algumas mulheres a endometriose que, entre outras complicações, promove danos nas trompas (obstrução ou aderências) ou retroversão fixa (útero virado para trás). A dor aguda no baixo-ventre pode ocorrer quando um cisto de endometriose se rompe e derrama no peritônio o sangue acumulado nas “menstruações”, necessitando, nessas condições, de cirurgia de urgência. Outras queixas que ocorrem em l5% das pacientes com endometriose, são o sangramento entre as menstruações, e a anovulação.

E o diagnóstico?

O diagnóstico definitivo é feito pela observação direta do foco de endometriose (através da laparotomia ou laparoscopia), quando se faz a biopsia da área comprometida, que é enviada para o laboratório de anatomia patológica para exame histológico (no microscópio, sob coloração).

Portanto, as queixas clínicas acima enunciadas podem levar à suposição de que haja a doença. No exame ginecológico podem-se encontrar nodulações arroxeadas na vulva e fundo de vagina, sugestivas de endometriose. A retroversão uterina com dor a mobilização e a identificação de nódulos dolorosos no fundo da vagina e na altura dos ovários constituem-se em outros sinais positivos. O ultrassom pélvico e mesmo a ressonância magnética podem demonstrar cistos no ovário, com conteúdo denso, que favorece a hipótese de endometriose. Existe um marcador tumoral chamado CA-125 que, dosado logo após o início da menstruação, pode estar elevado em casos de endometriose e em outras doenças, não sendo, portanto, específico.

Além do mais, em casos de endometriose comprovada histologicamente, o CA- 125 pode se encontrar em níveis absolutamente normais.

Os achados clínicos avaliados pela queixa da paciente, pelo exame físico e pelos exames de laboratório servem para determinar a probabilidade de ser endometriose e dessa forma justificar uma laparotomia ou laparoscopia para firmar o diagnóstico e também aproveitar, ao mesmo tempo, para fazer o tratamento. A endometriose é, portanto, uma doença crônica que compromete o bem-estar da paciente, acompanhada frequentemente de esterilidade e transtornos emocionais, mas não se transforma em câncer.

Qual o tratamento? Existe cura?

Quando a paciente entra naturalmente na menopausa, os níveis de hormônios caem drasticamente, suspendem-se as menstruações, e os focos de endometriose deixam de ser estimulados, entrando em atrofia e restando apenas uma cicatriz indolor. Mas se a mulher ainda está longe da menopausa e deseja filhos, podemos, por um tempo variável (de alguns meses a anos), suspender a menstruação através da administração de pílula de modo contínuo (sem intervalo).

Existem outras substâncias chamadas análogos do CnRH que, administradas em forma injetável, geralmente 1 vez por mês, levam a mulher a um estado semelhante à menopausa, inclusive com os sintomas, promovendo alívio imediato no quadro doloroso da endometriose. No entanto, só podem ser administradas por 6 meses a 1 ano, pois reduzem de maneira importante a densidade óssea, produzem sintomas desagradáveis e são caros.

Se os nódulos de endometriose (geralmente no ovário) tiverem mais que 5 cm de diâmetro, deverão ser retirados cirurgicamente. Quando uma paciente com endometriose consegue ficar grávida (com ou sem tratamento), há uma alteração bastante favorável na doença capaz de modificar a evolução do processo. Quando a paciente já teve os filhos que desejava, pode-se optar pelo tratamento definitivo da endometriose – que é a retirada de útero e ovários – não havendo necessidade de retirar os nódulos de endometriose, pois estes sofrerão atrofia após a cirurgia.

Gostou do conteúdo? Deixe um comentário e compartilhe!

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM