Hipertensão e obesidade sem tratamento encurtam a vida

O que a pressão arterial sistêmica?

A hipertensão arterial sistêmica, também conhecida como pressão alta, é uma condição clínica caracterizada pelo aumento dos níveis da pressão arterial, quando esta for maior ou igual a 140/90 mmHg.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 1 bilhão de pessoas em todo mundo têm pressão alta, mas um terço desse número sabe que tem a doença. Dentre os brasileiros, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, cerca de 30% apresentam hipertensão, um dos principais fatores de risco para as doenças do coração e primeira causa de mortes no país, sendo que em pessoas com mais de 60 anos de idade a porcentagem sobe para mais de 50%.

Causas 

A pressão arterial se eleva por vários motivos, mas principalmente porque os vasos em que o sangue passa se contraem. Além disso, diversos fatores podem influenciar no desenvolvimento da hipertensão, tais como:

  • Histórico de hipertensão na família;
  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Dieta rica em sódio;
  • Tabagismo;
  • Excesso de gordura no sangue;
  • Excesso de bebida alcoólica;
  • Sedentarismo;
  • Estresse.
  • Sintomas da hipertensão.

No Brasil, pesquisas mostram que 51% da nossa população está acima do peso, desses, 17,4% são obesos. O excesso de peso, principalmente quando a gordura corporal se localiza no abdômen, está extremamente ligado ao aumento das doenças cardiovasculares, entre elas a hipertensão. Recomendação importante: Valores de circunferência de cintura acima de 80 cm para mulheres e 94 cm para homens já indicam aumento do risco de hipertensão e outras complicações metabólicas.

Obesidade 

A obesidade se relaciona com a hipertensão por aumentar os níveis de insulina no sangue e a retenção de sódio pelos rins. Uma das causas da obesidade é a alimentação inadequada, rica em açúcares, gorduras e sal. Isso, somado ao sedentarismo, são os principais motivos pelos quais a obesidade é tão prevalente em nosso país. Além disso, a doença também é a causadora de:

  • 40% dos infartos;
  • 80% dos derrames;
  • 25% dos casos de insuficiência renal em todo o país.

Classificação 

A hipertensão possui uma classificação que varia de acordo com a sua gravidade, conforme a tabela abaixo:

  • Normotensos;
  • Pressões menores ou iguais a 12 por 8;
  • Pré-hipertensos;
  • Pressões entre 12 por 8 – 13 por 9;
  • Hipertensos Grau I;
  • Pressões entre 14 por 9 – 15 por 9;
  • Hipertensos Grau II;
  • Pressões maiores ou iguais a 16 por 10

Veja também: Hipertensão arterial 

Fique atento em sua pressão para que possa procurar auxílio médico o quanto antes, caso haja indícios de hipertensão.

Sintomas da hipertensão 

  • Dor na região da nuca;
  • Visão embaçada;
  • Cansaço;
  • Tontura;
  • Sangramento no nariz;
  • Náusea e vômito – esses normalmente aparecem em casos mais avançados.
  • Riscos.

Consequências da hipertensão 

  • Insuficiência cardíaca;
  • Infarto do miocárdio;
  • Arritmias cardíacas;
  • Morte súbita;
  • Aneurismas;
  • Perda da visão;
  • Insuficiência renal crônica;
  • AVC isquêmico e hemorrágico;
  • Demência por micro infartos cerebrais;
  • Arteriosclerose.
  • Diagnóstico.

As pessoas que sofrem de pressão alta devem ir ao cardiologista uma vez a cada seis meses. Já as que possuem a pressão normal, uma vez ao ano. As crianças também devem ter o devido acompanhamento de sua pressão com seus pediatras.

Diagnóstico da hipertensão 

Como já mencionado, muitas vezes os sintomas da hipertensão não são detectados, porém existem exames laboratoriais que os detectam de forma precoce, como os seguintes:

  • Urinálise;
  • Hematócrito;
  • Ureia e/ou Creatinina;
  • Potássio;
  • Glicose em jejum;
  • Cálcio;
  • TSH e T4;
  • Lipidograma.

Prevenção da hipertensão 

 A prevenção da Hipertensão se baseia no controle de peso, alimentação saudável, com baixas quantidades de sal e na prática regular de atividade física. Também são indispensáveis cuidados periódicos através de consultas médicas com aferição da pressão.

Se você já é hipertenso, ou tem tendência a ser, os itens abaixo servem tanto como prevenção contra a doença quanto como tratamento para estabilizar a pressão arterial:

Reduzir o sal de cozinha e os alimentos que contenham muito sal;

Reduzir o consumo de álcool;

Abandonar o tabagismo, caso seja fumante;

Exercitar-se regularmente;

Controlar as alterações das gorduras sanguíneas.

Medicamentos usados para o tratamento da hipertensão

 

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM