O que é o linfoma não-Hodgkin?

Estima-se que a doença atinge 55 mil novas pessoas por ano no Brasil.

São proliferações malignas de células linfoides presentes em sítios, nos quais se localiza o sistema imune, como linfonodos, medula óssea, baço, fígado e trato gastrointestinal.No Brasil, estima-se a incidência desta doença em 55 mil novos casos por ano, e mais de 26 mil mortes. O número de casos praticamente duplicou nos últimos 25 anos, particularmente entre pessoas acima de 60 anos, por razões ainda não esclarecidas.https://drsalim.com.br/voce-sabe-o-que-sao-os-linfomas/A causa da doença ainda é desconhecida. Há associações de linfoma não-Hodgkin com situações nas quais há imunossupressão do paciente, como é o caso de transplantes renais, hepáticos e de coração. Nestes casos, pode haver associação com vírus, como é o caso do vírus da mononucleose (EBV). Outros vírus também podem se associar com a doença, por exemplo, o T humano, que é relacionado à leucemia e ao linfoma e o HIV, que causa a aids.Os pacientes com a doença podem se queixar de caroços (ínguas) que representam linfonodos aumentados nas regiões cervical, axilar ou inguinal. Pode haver febre, perda de peso, coceira, ou suores noturnos profusos. Podem existem também sinais de disfunção de vários órgãos como pulmões, fígado, rins, medula óssea e também do sistema nervoso central.O diagnóstico do linfoma não-Hodgkin se faz por biópsia de um linfonodo aumentado ou de um órgão acometido. É importante destacar que não há maneira conhecida de prevenção eficaz da doença.O tratamento consiste em quimioterapia que pode, em alguns casos, se associar à imunoterapia com anticorpos monoclonais. A radioterapia pode também ser útil em alguns casos, pois os linfomas são muito radiossensíveis.

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM