Para saber o que é a dor de estômago que você está sentindo, é necessário ir ao médico. Você sentará diante dele, que perguntará sua idade, profissão, alguns dados importantes. “Aí ele vai caracterizar a dor do estômago, se é queimação, pontada, surda, latejante, onde exatamente dói, se irradia para algum lugar, para as costas, ombro, mandíbula, pescoço, tórax”, explica Dr. Salim Médico de Família.

Além disso, irá perguntar sobre fatores que melhoram ou pioram sua dor. Por exemplo, se a pessoa tem dor de estômago quando ele está vazio e depois que come, melhora, é necessário pensar numa úlcera duodenal, caracterizada pela dor em três tempos: dói, come e passa. Já na úlcera gástrica, o paciente sente a dor, come, mas o estômago não melhora. E na esofagite ou refluxo dói quando ingere comida, na hora que ela passa pelo esôfago.

Gastrite - Por Dr. Salim Médico de FamíliaEnfim, existe uma série de características que é preciso ter em mãos para saber pistas do motivo da dor na boca do estômago e fazer os exames adequados. “Eu gosto muito de falar isso porque valorizo demais a história e o exame físico. Quando faz uma boa história do seu paciente e um exame físico adequado, na maioria das vezes, o médico está próximo do seu diagnóstico. Já, quando faz um monte de exames ou chuta pelo telefone, tem uma grande chance de errar ou fazer coisas desnecessárias” ressalta Dr. Salim.

Portanto, uma história bem feita e um bom exame físico são essenciais para, a partir disso, fazer os exames necessários para um bom diagnóstico. “Gastrite é um termo genérico, a maioria das pessoas tem gastrite e não sente nada. Pode ser dor de úlcera, uma gastrite muito intensa ou verdadeiramente uma gastrite ou de refluxo, esofagite. Pode ser também dor de cólica biliar, de pâncreas, de coração, dor muscular e daí por diante”, afirma Dr. Salim Médico de Família. Então, se você tiver com dor de estômago, vá ao médico para ele caracterizá-la e ter um bom diagnóstico e uma boa terapêutica.