Você sabe o que é hipertensão pulmonar?

Saiba mais sobre a doença, que afeta mais mulheres do que homens

A hipertensão pulmonar é uma condição caracterizada pelo aumento da pressão na artéria pulmonar. A artéria pulmonar tem como função transportar o sangue vindo do corpo e das câmaras direitas do coração para o pulmão, onde haverá a troca gasosa.

As causas do problema são divididas em dois grupos:

– Primária ou idiopática: quando não sabemos ao certo o que desencadeou a doença. Existe uma predisposição genética (forma familiar da doença), a qual é rara, e poucos são os casos em que confirmamos tal diagnóstico. Atualmente, encontram-se bem definidas as associações entre a hipertensão pulmonar primária e algumas condições: uso de medicações para diminuir o apetite, infecção pelo vírus HIV-1, cirrose hepática e algumas doenças reumatológicas.

– Secundária: quando conhecemos exatamente o mecanismo que causou a hipertensão pulmonar. Por exemplo: bronquite crônica, efisema, asma grave, embolia pulmonar crônica, doenças cardiológicas como problemas nas válvulas ou insuficiência cardíaca.

O sintoma mais comum da hipertensão pulmonar é a falta de ar nos esforços físicos. Outros sinais são: tosse geralmente seca, rouquidão e dor no tórax. Nos estádios mais avançados ocorre uma sobrecarga intensa do pulmão sore o coração e, com isso, o paciente pode apresentar alguns sintomas de sobrecarga cardíaca, como inchaço nas pernas, aumento do tamanho da barriga ou empachamento após comer pouco, náuseas ou até vômitos após ingestão alimentar.

Se for possível identificar o motivo da hipertensão pulmonar, como, por exemplo, problemas cardiológicos, será necessário primeiro tratar as doenças e, em seguida, reavaliar os valores da pressão da artéria pulmonar, os quais provavelmente se reduzirão se houver resposta positiva.

Para a hipertensão pulmonar primária ou idiopática, o paciente deverá usar alguns remédios diariamente, como os anticoagulantes e os vasodilatadores, diuréticos se houver inchaço, e oxigênio, se necessário.

Além disso, tentar manter o peso dentro do valor ideal, reduzir a intensidade das atividades físicas, evitar medicações que possam aumentar a pressão da artéria pulmonar ou que possam estar associadas a mecanismos desencadeadores da doença, como anticoncepcionais orais e anorexígenos. A gravidez deve ser evitada, pois impõe aumento dos riscos. Se não houver resposta com nenhuma medicação, temos como alternativa o transplante pulmonar.

 

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MANDE UMA MENSAGEM