Sangramento nasal no inverno é culpa do frio e do tempo seco

Com o prolongamento da estiagem no inverno, muitas pessoas sofrem com sangramento nasal  devido a relação da baixa umidade do ar (tempo seco) com algumas doenças respiratórias. Nessa época do ano, é comum o registro de índice de umidade relativa do ar abaixo do ideal, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o nível aceitável para o organismo humano gira entre 40% a 70%.

 

Clima

Em dias muito quentes, sem vento, há dificuldade na dispersão de gases poluentes, provocando o ressecamento das mucosas das vias aéreas superiores, na parte da frente do septo nasal. Isso pode tornar as pessoas mais vulneráveis ao sangramento nasal e ao desenvolvimento de problemas respiratórios como: rinite alérgica, crises de asma, infecções virais e bacterianas. Clique aqui para também saber sobre doenças de outono.

Estima-se que o pior horário seja entre as 15 horas e 16 horas, onde aqui em São Paulo, em dias muito secos, a umidade relativa do ar pode cair para os 30 % ou menos.

Quando isso ocorre, muitas pessoas apresentam vários sintomas como: garganta seca e irritada, sensação de areia nos olhos que ficam vermelhos e congestionados, ressecamento da pele, cansaço, dor de cabeça, complicações alérgicas, sangramento nasal, tosse e espirros persistentes.

O sangramento nasal é comum nas crianças abaixo dos dez anos devido à fragilidade dos vasos sanguíneos e em adultos maiores que trinta e cinco anos.

 

O que é o sangramento nasal?

Também conhecido por epistaxe, caracteriza-se por um sangramento da mucosa do nariz, e ocorre por uma alteração na hemostasia (mecanismo de defesa contra a perda de sangue) normal do nariz.

Tipos de sangramento nasal

Epistaxe anterior: representam 90% dos casos, e são de intensidade mais branda e ocorre na região anterior do septo nasal.

Epistaxe posterior: o sangramento nasal posterior é menos frequentes, mais graves e necessitam em alguns casos, de intervenções médicas, com tamponamento nasal e cauterização. Geralmente, atinge o público com mais de 50 anos.

Severa: há hemorragias intensas que podem colocar a vida do paciente em risco.

 

O que fazer em caso de sangramento nasal?

Na maioria dos casos, o sangramento nasal não traz maiores problemas, desde que seja realizada a compressão de maneira correta.

Para sangramentos menores, que ocorrem comumente por conta do ressecamento da mucosa nasal, os procedimentos são:

– Baixar a cabeça e comprimir o nariz como uma pinça por 10 minutos. A atitude previne o que o sangue vá parar no estomago e na garganta.  Isso é suficiente para coibir a maioria dos sangramentos nasais.

– Colocar compressa fria ou com gelo no dorso nasal (borda do nariz);

– Embeber uma mecha de algodão em solução vasoconstritora e colocar nas narinas

– Após o controle do sangramento poderá ser realizada a lavagem com soro fisiológico 0,9%.

Atendimento de emergência para sangramento nasal

– Em casos de sangramentos mais volumosos, busque um médico rapidamente.

– Quem sente tontura ou apresenta sensação de desmaio, deve procurar um pronto atendimento.

– Sangramento nasal acompanhada de arritmia ou dificuldade para respirar

– Tossindo ou vomitando sangue

 

Sangramento Nasal - Dr Salim Médico de FamíliaO que não fazer durante ou após sangramento nasal

– Inclinar a cabeça para trás, especialmente em crianças, esse posicionamento poderá levar a deglutição de sangue, vômito e até engasgo;

– Tomar banho quente ou se expor ao sol

–  Comer alimento quente

 

Sangramento Nasal - Dr Salim Médico de FamíliaPrevenção de sangramento nasal

– Use um umidificador ou uma bacia de água no quarto na hora de dormir

– Spray nasal ajuda a fluidificar a mucosa

– Evite cutucar o nariz ou assoar com forca

– Abandone o cigarro que só provoca ressecamento nasal e irritação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *