O dia 8 de agosto é o Dia Nacional de Controle do Colesterol, um composto parecido com a cera, que pertence a uma categoria de substâncias chamada esteroides. É encontrado em muitos alimentos, na nossa circulação sanguínea e dentro das nossas células.

Ele é essencial para uma série de funções, como:

– Formação e manutenção das membranas das nossas células (por exemplo, ajuda a proteger contra variações de temperatura);

– Formação de hormônios sexuais (por exemplo: os estrógenos e a testosterona);

– Produção dos sais biliares que têm função importante na digestão dos alimentos;

– Formação da vitamina D na nossa pele, quando nos expomos à luz solar.

Cerca de 85% do colesterol circulante é produzido pelo nosso próprio corpo e é chamado endógeno; os 15% restantes vêm da nossa dieta, sendo as principais fontes os alimentos de origem animal. Para fabricá-lo, precisamos de uma matéria-prima chamada gordura saturada, que se deve ser ingerida pela alimentação. Assim, quando se faz uma dieta para reduzir o colesterol, busca-se não apenas reduzir o quanto se ingere de colesterol, porém, mais importante ainda, diminuir a matéria-prima para a produção dele.

O colesterol não anda solto na circulação, mas sim é transportado por proteínas especializadas chamadas apoproteínas, as quais, quando se juntam ao colesterol, passam a ser chamadas de lipoproteínas. A densidade delas é determinada pela quantidade de proteína na molécula. Assim, colesterol “ruim” é lipoproteína de baixa densidade ou LDL, que é a maior transportadora do colesterol no sangue. Os aumentos dos seus níveis são relacionados com o desenvolvimento de aterosclerose. A lipoproteína de alta densidade ou HDL tem um efeito protetor, removendo o colesterol que é depositado.

Os níveis das chamadas frações do colesterol têm grande importância; assim, um indivíduo com bons níveis de LDL colesterol, mas com níveis baixos de HDL tem risco aumentado de vir a apresentar problemas. Em excesso, o colesterol LDL é prejudicial por aumentar o risco de desenvolver doenças cardiovasculares. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, os níveis ideais de colesterol no sangue são de 70mg/dL, não ultrapassando 100mg/dL. De 160 a 189 já é considerado alto e acima de 190 muito alto.

No próximo capítulo da série especial, vamos falar sobre os fatores de risco para se desenvolver o colesterol alto.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (http://www.cardiol.br/)