BLOG

O que é AVC?

O acidente vascular cerebral tem vários fatores de risco, como a idade, hipertensão arterial e tabagismo.

Popularmente conhecido como derrame cerebral, o AVC está relacionado à destruição de células do cérebro, especialmente os neurônios, por um problema circulatório. Existem dois tipos de AVC: o isquêmico e o hemorrágico. No caso do isquêmico, a destruição de células em uma parte do cérebro ocorre por falta de circulação sanguínea. Isto é frequentemente causado pelo entupimento de alguma artéria, de modo que não chega oxigênio suficiente naquela região e, em consequência, as células nervosas morrem.No caso do hemorrágico, a destruição de células nervosas ocorre devido a um sangramento cerebral causado pelo rompimento de alguma artéria, com consequente extravasamento de sangue na região. Às vezes, o sangramento forma um coágulo dentro do cérebro, chamado hematoma. Em outras situações, o sangue se espalha em volta do cérebro.As alterações nos vasos sanguíneos cerebrais, principalmente as artérias, vão acontecendo progressivamente ao longo do tempo, deixando-as suscetíveis ao entupimento ou, em outros casos, ao rompimento. As razões pelas quais ocorrem essas alterações, chamadas fatores de risco, são muitas e variam nas diversas pessoas.Os principais fatores de risco para um acidente vascular cerebral isquêmico são: idade, hipertensão arterial, diabetes, tabagismo, alterações nos níveis de colesterol e triglicérides no sangue, doenças cardíacas (arritmias, doenças de válvulas cardíacas ou infarto agudo do miocárdio) que trazem risco de embolia cerebral.Entre os principais fatores de risco para os acidentes vasculares cerebrais hemorrágicos estão: hipertensão arterial, alterações de coagulação causadas por doenças do fígado, doenças do sangue ou mesmo medicamentos que alterem a coagulação, tumores cerebrais e alterações degenerativas e inflamatórias dos vasos cerebrais.Os sintomas dependem da parte do cérebro acometida pela falta de circulação ou pelo sangramento. Como cada parte do cérebro está relacionada a uma determinada função, os sinais podem variar. Por esta razão, a dificuldade em reconhecer um AVC pode ser grande, o que pode ocasionar um demora na procura do atendimento médico. O início repentino dos sintomas, sejam eles quais forem, é uma característica da doença e deve ser valorizada. Sendo assim, sintomas neurológicos de instalação súbita, sejam intensos ou discretos e passageiros, devem ser imediatamente avaliados por um médico.Podem ocorrer alterações motoras, com enfraquecimento ou paralisia de uma parte do corpo, geralmente de um lado. Há chances de haver alteração de sensibilidade de algum lado do corpo, como formigamentos ou sensação de anestesia. Perda visual em um ou ambos os olhos, e dificuldade para falar ou compreender também podem acontecer. Perda de consciência, náuseas e vômitos e dor de cabeça intensa podem acontecer, principalmente nos casos de sangramento.Em todos os casos, o atendimento rápido faz grande diferença para alguns tratamentos. Sendo assim, a recomendação geral é procurar um serviço médico de emergência, caso sinta algum desses sintomas. Assim, em caso de acidente vascular cerebral isquêmico, o tempo de evolução é um dos critérios fundamentais para a indicação de certos tratamentos que só podem ser utilizados nas primeiras horas.

dr salim assinaturafaixa assinatura Dr SalimDr. Salim

CRM-SP 43163

É conhecido também como médico da família. Formado em 1981, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, concluindo residência dois anos depois, em 1983. Desde então, atua como clínico geral no Hospital Sírio Libanês, além de atender também em sua clínica privada.

faixa assinatura Dr Salim

2 Comentários

  1. Cleria nelsi lagiia

    Muito bom .otimo esclarecimento.

    Responder
  2. Tânia Teresa Mecatti Ribeiro

    Tenho cinqüenta anos e fui diagnosticada em fevereiro de 2015 com acidente vascular na medula espinhal, o que provocou a paralisação da minha perna esquerda e alteração da sensibilidade nas duas pernas. Hoje já estou andando de bengala e faço fisioterapia para fortalecimento. Nunca tinha ouvido falarneste diagnostico , por que é pouco divulgado?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OU MANDE UMA MENSAGEM

agsdi-whatsapp