Obesidade: problemas na vesícula biliar - Por Dr. Salim Médico de Família

Obesidade pode triplicar o número de casos de pedras na vesícula biliar principalmente nas mulheres

A vesícula biliar armazena a bile produzida no fígado, lançando-a no duodeno (órgão entre o estômago e o intestino delgado) através dos dutos cístico e colédoco (canais da bile), quando ela é necessária para a digestão, principalmente de gorduras. Alterações de uma ou mais fases do metabolismo de formação da bile e seus componentes pode levar à precipitação do componente em excesso e sua cristalização, formando-se assim os cálculos.

A doença do cálculo biliar é uma das doenças gastrointestinais mais comuns. Pode atingir até 10% da população em alguns países. É mais comum em adultos na faixa dos 40 aos 60 anos e em países do ocidente.

A obesidade é um importante fator de risco para a pedra na vesícula, tratado também por cálculo biliar, especialmente em mulheres. Pessoas obesas possuem maior probabilidade de ter cálculo biliar do que as que estão com o peso saudável. Obesidade em adultos pode ser definida usando o IMC, uma ferramenta que mede o peso em relação à altura. Um IMC entre 18,5 e 24,9 representa um peso saudável, entre 25 e 29,9 sobrepeso, e mais de 30 significa obesidade.

 

IMC x pedras na vesícula biliar

À medida que o IMC aumenta, o risco de desenvolver cálculo biliar também eleva. Estudos tem mostrado que o risco pode triplicar em mulheres que possuem IMC maior que 32 comparadas àquelas com IMC entre 24 e 25. O risco pode ser sete vezes maior em mulheres com IMC acima de 45 em comparação com as com menos de 24.

Pesquisas têm mostrado que pessoas obesas podem produzir altos níveis de colesterol. Isso ocasiona a produção de bile com mais colesterol do que pode dissolver. Quando isso acontece, pode se formar cálculo biliar. Pessoas com obesidade também possuem vesícula biliar maior que não se esvazia completamente.

 

Sintomas x pedras na vesícula biliar

Geralmente assintomática, muitas vezes só se descobre o problema com uma ultrassonografia.

  • Dores e cólicas no lado direito do abdome, logo abaixo das costelas. As dores geralmente surgem após o consumo de comida gordurosa .
  • Estômago inchado.
  • Náuseas com ou sem vômitos
  • Dificuldade de digestão e desconforto após alimentações gordurosas.

 

Complicações x vesícula biliar

  • Se os cálculos obstruírem os canais biliares, pode ocorrer infecção e até septicemia (infecção generalizada).
  • Se alguma pedra descer para o canal principal, elas podem obstruir o canal do pâncreas causando a pancreatite aguda, doença às vezes, de difícil controle.
  • A inflamação aguda da vesícula biliar provoca fortes dores na parte alta do abdome, conhecida como colecistite aguda, uma grave infecção abdominal. Se as dores não melhoram com medicamentos o paciente deverá ser operado de urgência.
  • Leia mais em outra postagens sobre as complicações.

 

Tratamento cirúrgico

Sempre cirúrgico com a retirada das pedras e da vesícula biliar. A colecistectomia é um procedimento com baixo índice de complicações, realizado por laparoscopia. Após a cirurgia, o fígado passa a assumir o papel da vesícula no armazenamento e distribuição da bile, havendo uma rápida adaptação do organismo, na maioria dos casos.

Saiba mais sobre o tratamento com o especialista Dr. Fabio Atui, clique aqui!

 

Efeito sanfona x risco de pedras na vesícula biliar

O efeito sanfona, que significa emagrecer e engordar seguidamente, pode elevar o risco para cálculo na vesícula biliar, especialmente em pessoas que perdem e recuperam mais de 4,5 kg.

Emagrecimento rápido também pode fazer com que cálculo biliar silencioso (sem dor) fique sintomático. Estudos têm mostrado que pessoas que perdem mais de 1,5 kg por semana têm mais risco para cálculo biliar do que as que emagrecem mais lentamente.

 

Dietas

Especialistas acreditam que dietas para emagrecimento causam mudança no equilíbrio de sais biliares e colesterol na vesícula biliar. O nível de colesterol aumenta e quantidade de sais biliares diminui. Seguir uma dieta com muito pouca gordura ou ficar sem comer por longos períodos, praticas comuns para quem faz dieta, também podem diminuir as contrações da vesícula biliar. Se a vesícula biliar não se contrair freqüentemente para esvaziar a bile, pode ocorrer a formação de cálculos biliares.

 

Emagrecimento seguro

Perder peso gradualmente, ao invés de emagrecer rapidamente, diminui o risco. Dependendo do seu peso ao começar o emagrecimento, especialistas recomendam emagrecer em uma taxa de 200 gramas a 1 kg por semana. Emagrecimento nessa taxa geralmente acontece até 6 meses. Depois de 6 meses a perda de peso geralmente declina e o peso se estabiliza porque o corpo mais leve gasta menos calorias (energia) para se manter.

As escolhas que faz na alimentação também podem afetar o risco para cálculo biliar. Especialistas recomendam incluir um pouco de gordura na dieta para estimular a vesícula biliar a contrair e esvaziar. As recomendações atuais indicam de 20 a 35% das calorias totais devem vir de gorduras. Estudos também têm mostrado que dietas ricas em fibras alimentares e cálcio podem reduzir o risco de desenvolvimento de cálculos biliares.

Finalmente, atividade física regular está relacionada com risco menor para cálculos biliares. Procure praticar aproximadamente 60 minutos de atividade física moderada a vigorosa na maioria dos dias da semana para controlar seu peso e prevenir ganho de peso. Para perda de peso sustentável, procure praticar pelo menos 60 a 90 minutos diários de atividade física de intensidade moderada.

 

Cirurgia bariátrica x pedras na vesícula

Cálculos biliares são comuns em pessoas que fazem cirurgia bariátrica para perder peso. Essa cirurgia reduz o tamanho do estômago ou cria atalho em partes do sistema digestivo, sendo um método de perda de peso para pessoas com IMC maior que 40. Esse procedimento também é uma opção para pessoas com IMC maior que 35 e condições médicas como diabetes e pressão alta. Especialistas estimam que em torno de 1/3 dos pacientes de cirurgia bariátrica desenvolvem cálculos biliares, os quais geralmente aparecem nos primeiros meses após a cirurgia.

Um Comentário
  1. Responder
    Adriana

    ola bom dia me chamo adriana xavier gostaria de saber assim eu ja tirei a vesícula na época eu avia perdido muito peso hj estou ganhando esse peso ,muito rápido e não consigo controlar a vontade de comer ja entrei em algumas dietas mais não avia perda de peso choro todos os dia pois estava com 83 ja estou com 100 kg novamente, antes da cirurgia eu pesava 130 fiz uma dieta que me levou aos 83 onde comecei a passar muito mal e fui operada as presas para tirar a vesícula. hj com 100kg e 1 .70 de altura estou pensando em fazer a bariátrica pois esse ganho de peso esta mexendo muito comigo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *